FLORENSE INAUGURA LOJA CONCEITO: UMA NOVA REFERÊNCIA NO CENÁRIO ARQUITETÔNICO PAULISTANO

Instalada no número 690 da Alameda Gabriel Monteiro da Silva, a flagship Florense passa a ser a principal vitrine brasileira da marca – uma das mais importantes e sólidas grifes mundiais e referência internacional em mobiliário high-end. A audaciosa loja conceito apresenta uma nova forma de atender e presenteia São Paulo, não só com um novo cartão-postal, mas também com um ambiente para contemplação, unindo natureza e arquitetura, um verdadeiro oásis em meio à cidade mais cosmopolita do Brasil.

O conceito foi criado pelo designer israelense Dror Benshetrit – em sua primeira participação dentro de um processo criativo no País –, que teve como desafio apresentar um projeto inquieto, inovador e revolucionário. Com área de 920 m², a flagship possui quatro pavimentos e é cercada por uma rica vegetação, que une folhagens, árvores frutíferas, ervas e os mais aromáticos temperos, numa experimentação única de valorização da natureza, bem ao estilo de Dror e alinhada com o projeto Houseplant, que o consagrou mundialmente.

O conceito original do projeto baseou-se na posição de liderança que a grife ocupa no mercado de mobiliário de alto padrão e em sua constante preocupação com a sustentabilidade, o que levou à implantação de quatro impactantes instalações denominadas “houseplants“, posicionadas na frente da loja – e quem sabe um novo cartão-postal para a pauliceia. O conjunto de quatro torres de aço corten dá forma a uma obra etérea, que é parte escultura, parte jardim e ilustra o potencial da natureza e da arquitetura para viverem em harmonia. “A natureza nos inclui. Não é possível ver o mundo que nos cerca excluindo-nos dele. Entender a nós, humanos, como parte desta natureza nos ensina a ter um novo olhar sobre o nosso meio e também nos ensina a projetar”, ressalta Dror.

Com processos industriais de alta tecnologia, ecologicamente corretos, aliados ao trabalho fatto a mano, a Florense produz um mix de móveis que contempla todos os ambientes da casa. Para conceituar o projeto, o designer teve como referência a cozinha, ambiente onde facilmente há integração da arquitetura e da natureza com o ser humano. É onde as pessoas convivem, preparam refeições e, principalmente, é o ambiente que perfuma toda a casa com uma explosão de aromas e sabores. O objetivo foi reverenciar a cozinha, as plantas, os vegetais, as ervas, que reúnem o sentimento de cuidado com o lugar que é o centro da casa. A partir disso, a loja foi concebida, não para que se parecesse com um showroom, mas que de fato lembrasse um lar, com ambientes aconchegantes e convidativos.

Sem a preocupação de seguir alguma tendência na arquitetura de interiores, Dror afirma que o conceito criado para a Florense está de acordo com algo muito em voga hoje: experiência e experimentação. “Experiências enraizadas na natureza, proporcionando às pessoas um sentido de pertencimento aos seus entornos e ao que estão vivenciando. Se pensarmos na palavra experimentação, a cozinha é a parte mais experimental da nossa casa e das nossas vidas. É um lugar de criação. Envolver essa ideia ao que fizemos aqui, revela o modo como olhamos este projeto”.

Nos quatro andares da flagship, há uma casa para ser vivida e apreciada. Nela, inovações como o sistema de iluminação running magnet, importado da italiana Flos; a premiada cozinha f53, com seu design totalmente inédito; a coleção de portas divisórias Flowall, com tecnologia exclusiva Florense; a nova coleção de armários para quartos, com três sistemas de abertura e tecnologia inovadora de amortecimento por magnetismo; a inédita Smart TV; os mais novos acessórios de iluminação para cozinhas; a incrível coleção de acessórios, inspirada na alta-costura, que combina tecidos, couro e madeira; e a nova paleta de acabamentos, que amplia ainda mais as centenas de padrões já oferecidos pela marca.

Para criar e executar a decoração, a Florense convidou o designer Aldi Flosi e o Estudio Manus, de Daniela Scorza e Caio de Medeiros F., buscando alcançar a atmosfera perfeita de uma casa. Aldi utilizou elementos básicos do cotidiano, arrumados em uma geometria sugerida nos diversos armários e ambientes. São peças simples e neutras para construir uma atmosfera humanizada aproximada do uso real, aliadas aos móveis da grife, agregando ainda mais informação aos acabamentos do mobiliário. Blocos de cores, peças assinadas, obras de arte, mobília vintage e objetos que instigam a memória criam “surpresas internas” nos armários. Há elementos naturais e minerais, palha, obras de arte popular brasileira, como a escultura do artista Zé Bezerra e um banco vindo da Ilha do Ferro. Para finalizar a produção, sapatos veganos, bolsas tramadas à mão, mantas de lã e roupas de cama de linho.

O Estudio Manus optou por grandes elementos esculturais e assemblages. Flores gigantes e surrealistas aliam-se às plantas de Dror e reforçam o conceito estabelecido por ele. Daniela e Caio criaram seis instalações e um conjunto de objetos, de acordo com o inédito conceito de arquitetura e paisagismo da loja. São peças que dialogam com as proporções e materiais dos ambientes internos e com o meio circundante, respeitando a ideia de espaço criado na exuberância da natureza, em intervenções que propõem causar momentos de surpresa e reflexão com sutileza e poesia. Nessas obras, estão sempre presentes componentes da natureza. O ambiente externo e as plantas que o projeto arquitetônico exalta são replicados nas formas propostas e nos materiais utilizados nas pontuais intervenções nos espaços internos.

Os serviços oferecidos pela Florense Gabriel vão muito além de atender clientes e parceiros. “As inovações começam com um pacote de hospitalidade inédito, montado como um hotel, com serviço de gastronomia, bell boy e concierge”, revela Camila Nunes Carneiro, franqueada Florense que responde pela nova loja. Todo o enxoval foi fornecido pela Hotel Plus, com peças da Riedel, Sambonet e Churchill e curadoria da Officina Três. Há também atrativos extras, como uma carta permanente de harmonização de azeites e degustação de vinhos, parceria com a Nespresso, que assinará a carta de cafés do restaurante com blends exclusivos, além de um espaço para receber no rooftop, com ampla possibilidade de ações. Um envolvimento humano que transcende o convencional para tornar-se, muito mais do que uma loja de mobiliário de alto padrão, um ponto de encontro onde o tom é o lifestyle.

O CEO da Florense, Mateus Corradi, não esconde sua satisfação com a abertura da flagship na Alameda Gabriel Monteiro da Silva – e principalmente com o projeto concebido pelo arquiteto Dror Benshetrit. “Os valores dele possuem afinidade com preceitos defendidos pela Florense desde sua fundação. Não é apenas uma loja, é um espaço que pretende traduzir o que a Florense representa no mercado da alta decoração”. Corradi destaca que o conceito estabelecido por Dror transforma o endereço em uma referência absoluta na Gabriel Monteiro da Silva. “Todos sabem que a Gabriel é a Oscar Freire do segmento mobiliário. Estar nela é um sonho antigo, pela posição que a rua representa, reunindo muitos atributos que irão reforçar nossa posição no segmento mobiliário brasileiro. Os clientes terão a oportunidade de conhecer todos os itens que produzimos para todos os ambientes da casa”.

Quem participa do projeto

O detalhamento do conceito criado por Dror Benshetrit para a Florense Gabriel foi realizado pela arquiteta Renata Hermanny, com curadoria de Roberto Cocenza. “O grande desafio foi traduzir a ideia num projeto executável. A loja é uma floresta urbana que Dror imaginou dentro do espaço desse terreno, com uma atmosfera toda especial, brasileira, acolhedora. A inovação do conceito está na proposta de fazer com que as pessoas se sintam acolhidas, como se estivessem em casa e não em uma loja, com ambientes dominados pela natureza”, explica a arquiteta.

As houseplants e a cobertura metálica foram produzidas pela Aum Engenharia. O paisagismo, que marca a forte presença da natureza, é assinado por Gilberto Elkis. No projeto de interiores, que abrange a configuração do mobiliário nos diversos ambientes, Renata Hermanny trabalhou em parceria com o próprio Studio Florense. O projeto luminotécnico foi realizado por Maneco Quinderé, especialista da área. E a decoração ficou a cargo do designer Aldi Flosi e do Estudio Manus.

As instalações do Estudio Manus

A primeira instalação, “Grande Flor Suspensa” decora a vitrine da fachada. É uma peça de 3,20m de comprimento que ficará suspensa numa área com pé direito generoso, representando um elemento botânico composto por bulbo, brotos, sementes e folhas.

Outra instalação, “Flor Bailarina”, foi colocada na entrada, recebendo os visitantes. Trata-se de uma reprodução botânica, com um metro de altura, pousada sobre uma grande coluna de madeira bruta, que representa a matéria-prima usada na origem da Florense. No mesmo ambiente, uma antiga pintura a óleo de uma bucólica paisagem rural, também como referência às florestas e montanhas do Sul.

Uma grande estante de 6,7m de altura recebeu a instalação “Livros e Garrafas”. Usando meia tonelada de argila, em cinco tons naturais, a estante é ocupada com blocos modelados à mão, sugerindo uma biblioteca, com cada livro num formato único.

O “Laboratório Vivo”, obra composta de um conjunto de grandes vidros de laboratório com formatos inusitados agrupados numa grande assemblage e conexões de tubos de vidro, decora o tampo de uma grande mesa.

Em um nicho no patamar da escada, foi inserida a instalação “Coleção de Bichos Pau”, criada em parceria com o artista pernambucano Márcio Lira, representando uma coleção de insetos feita com gravetos coletados no sertão nordestino.

Para o vão existente entre um dos quartos e um corredor com mobiliário de banheiro, foi criada uma peça aérea que flutua sobre uma mesa de cabeceira, chamada “Natureza Inversa”, representando a transformação da natureza pelo homem. Complementa essa área uma assemblage colocada no chão junto ao vão, em posição oposta ao elemento suspenso. As mesas do bistrô Florense são decoradas por um conjunto de vasos, usando blocos de pinho maciço bruto e natural, agregando tubos de vidro para ervas e flores.

FLAGSHIP FLORENSE

Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 690 – São Paulo
@florensegabriel
www.florense.com

FICHA TÉCNICA:

Conceito: Dror Benshetrit
Execução do projeto: Renata Hermanny com Studio Florense (interiores)
Curadoria arquitetônica: Roberto Cocenza
Produção artística de interiores: Aldi Flosi e Estudio Manus
Paisagismo: Gilberto Elkis
Iluminação: Maneco Quinderé
Produção das houseplants e cobertura metálica: Aum Engenharia

SOBRE A FLORENSE

A Florense é uma empresa brasileira com raízes italianas, design internacional e processos produtivos ecologicamente corretos, onde tecnologia de ponta e trabalho artesanal vibram na mesma sintonia para gerar móveis de finíssimo acabamento.

A empresa domina todos os processos industriais, operando pelo sistema custom made e personalizando cada projeto com grande flexibilidade de medidas, variedade de materiais nobres e centenas de padrões de acabamentos. A cultura do fatto a mano, mantida desde sua fundação, em 1953, contribui para tornar cada projeto realmente único.

Uma empresa autoral, que desenvolve tecnologia exclusiva, inovando sempre, para oferecer o que há de melhor em mobiliário no mundo. A excelência nos serviços prestados por uma rede franqueada que cobre todo o Brasil e tem forte presença nos Estados Unidos e na América Latina complementa a qualidade dos produtos.

Tudo isso consolida a marca entre os players mundiais e justifica a credibilidade adquirida junto ao segmento da alta decoração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *